O Espírito pairava sobre as águas

1. O Espírito pairava sobre as águas

Diz o Gênesis: “…A terra era sem forma e vazia. E o espírito de Deus pairava sobre as águas.” (Gn 1.1-2).

No princípio, nada havia… Acima, onde os olhos do homem ainda não haviam pousado, era só um azul profundo e misterioso. O que seria em breve chamado de céu, tinha suas bordas pousadas no nada, como se flutuassem. Abaixo, um abismo negro e profundo era o que havia. E, um espelho d’água refletia o azul do infinito. Tudo era silêncio, nada acontecia no que o Gênesis chama de terra. Mas algo acontecia sim. Um espírito, não um espírito qualquer. Mas o Espírito Santo de Deus, pairava sob aquelas águas, em um voo silencioso e observante. Este Espírito, parecia que, olhando, imaginava as possibilidades do que via e o que, Ele, o Pai e o Filho iriam fazer naquele lugar sem vida, sem brilho e sem cor.

Diz o apóstolo Paulo referindo-se a criação, que: “As coisas invisíveis, desde a criação do mundo, o Seu eterno poder como a Sua divindade, … se vêem pelas coisas que estão criadas.” (Rm 1.20). Trazendo para nossos dias e em nossa linguagem, Paulo quis afirmar que, toda criação de Deus, só podem ser vistas por olhos capazes de ver, nas coisas criadas
A mão do próprio Criador.

Porque, “Qual dos homens sabe sobre o homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus.” (I Cor. 2.11).

“Quando vier aquele Espírito da verdade, Ele vos guiará em toda a verdade.” (João 16.13).

Nossa aventura no Espírito Santo começou muito antes do início da nossa vida no ventre materno. Lá, no início de tudo, Deus já planejara toda a trajetória da humanidade. Ou seja, cada um de nós. Assim, criados pelo Espírito de Deus, fomos plenos do Seu amor antes mesmo de Ele entregar-se por cada um de nós.

E o apóstolo Tiago afirma que: “Pois, segundo o seu querer, Ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como que primícias das suas criaturas”. (Tiago 1.18).